Quarta-feira, 10 de Junho de 2015

Aqueles que morreram em defesa da Pátria” foram lembrados, esta manhã, na cerimónia do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, em Lamego. Uma frase lembrança que se repete todos os anos e que acaba sempre por ser fútil e incoerente. Ninguém morre em defesa da Pátria e os que morreram na guerra foram abatidos à falsa fé, assassinados e alvos de emboscadas e ataques mortais infligidas pelo inimigo. Na guerra não há lugar a "defesa" da Pátria, não há fantasias nem suposições, há morte, matar ou ser morto. O inimigo quer nos abater e nós queremos abater o inimigo. Tão cruel quanto isto. Se não matamos, morremos.

Morrer em defesa da Pátria” faz parte de uma imagem patriótica e propagandista dos estados imperialistas, séculos antes da nossa era, onde o povo era levado para o campo da guerra em nome da Pátria para defender poderes imperiais e de ostentosas monarquias. Ouvir neste Dia de Portugal (que devem ser todos os dias) lembranças à “defesa da Pátria”, causa-nos zombaria pelo que é e deve ser a Pátria no seu todo. A defesa da Pátria nunca deve ser feita em nome da morte de jovens militares, como aconteceu em África, para depois os governos darem ao inimigo a Pátria de todos nós. É tempo de se acabar com estas sórdidas demagogias. Os que morreram ou foram mutilados na guerra a Pátria (actual) não os reconhece.

publicado por j.gouveia às 12:01


Madeira

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Academia na Imprensa






Galeria Academia Sénior


RUTIS - Algarve 2009
Contador de Visitas
Contador de visitas
Contactar Blog:

Nome
E-Mail
Assunto
Msg

Utilizadores Online
online